Blog.

Diário de desenvolvimento de uma plataforma.

Pontos altos, marcos importantes e notas do desenvolvimento e promoção da NetCar.

A actividade da AutoHoje está suspensa. Será o fim de uma referência na imprensa automóvel?

A actividade da AutoHoje está suspensa. É o fim de uma referência?

AutoHoje. A 'nossa' revista de carros durante quase 30 anos

AutoHoje. A ‘nossa’ revista de carros durante quase 30 anos

A revista AutoHoje é um parceiro histórico da Netcar. Lembro-me perfeitamente das primeiras conversas em 2009. Nessa altura abrimos uma nova linha de negócio para a empresa. Foram várias as conversas e algumas reuniões com as pessoas de sempre da AutoHoje.

Esta era a minha revista de referência já há alguns anos. Depois das revistas mensais, as revistas semanais mantinham os leitores mais próximos e havia um dia da semana que era o dia de comprar a AutoHoje. Tenho a certeza que foi assim para muitas das pessoas da minha idade.
Durante algum tempo foi assim. Depois apareceu a Internet e tornou-se mais fácil aceder a informação. A Internet mudou a face de muitas indústrias e a imprensa escrita foi uma delas…bem, não só escrita, mas primeiro e principalmente a escrita. Na apresentação que fiz da Netcar à indústria automóvel, no ano de 2011, dei precisamente o exemplo da Internet e da indústria de media. Não tenha a certeza se estava alguém da AutoHoje, mas agora também não é relevante.

Todos nós, de uma forma ou de outra, participamos desta mudança e assistimos a ela. Todos nós deixamos de ler notícias nos jornais e artigos nas revistas, pois temos a Internet, onde as notícias e novidades surgem e se disseminam à velocidade da luz. Todos nós deixamos de procurar emprego, procurar casas nos classificados dos jornais, pois temos plataformas muito mais eficientes. Seguiram-se as empresas que passaram a ver a Internet com um canal mais barato e mais eficiente para fazerem publicidade e foram abandonando os espaços nos jornais e revistas.
Mas isso também tem um custo para os leitores. Trocámos jornalismo de qualidade por rapidez e contentamo-nos com isso.

MPL. O reflexo de um sector em crise

MPL. O reflexo de um sector em crise

Para a imprensa escrita, foi uma transição difícil. As correntes tradicionais de rentabilidade foram ‘secando’ e foram sendo substituídas por outras emergentes que não chegavam à mesma velocidade. Era preciso uma estratégia inovadora, capacidade de execução rigorosa e gestão corrente, tudo ao mesmo tempo (não é sempre?) e não a rotina do costume.

Estas alterações não vão ficar por aqui e é relativamente fácil antever alguns desafios para as empresas de media, para os consumidores de informação e para as empresas que precisam de fazer campanhas de marketing.

Voltando à AutoHoje, eu aposto que o título não vai cair. Sabemos que há pessoas interessadas na continuidade do projeto e que ele continuará. Não faz sentido de outra forma.

Já vimos o mesmo filme, tantas e tantas vezes. Projectos com qualidade, assolados pelo próprio sucesso, sem capacidade para questionar, para aceitar desafios. A inércia passa a ser a mãe de todos os pequenos fracassos. Até que falhar passa a ser normal. Batem-se recordes negativos e isso é encarado com naturalidade, um sinal dos tempos. Deixa de haver seguimento e parece que todos se desinteressam e se alheiam. Espera-se que passe e, normalmente, não passa. Eu conheci vários profissionais desta empresa e todos tinham capacidades e competências inegáveis, desde jornalistas, editores, directores. A responsabilidade não é deles, não é individual. Mas têm provavelmente a responsabilidade colectiva de ‘baixar os braços’, de não questionarem o status quo e de não serem capazes de aceitarem novas ideias e desafios.

Por isso, acredito eu, virá ainda mais forte, mais adequado a estes tempos, mas não sem as suas consequências. De alguma forma, esta situação deixou espaço para novos players.
Mesmo a Netcar coloca agora a hipótese de vir a ocupar pelo menos uma parte desse espaço deixado livre.
E não seremos os únicos certamente a pensar nisso.

Comentários

Sem comentários para já

Posts recentes

Conduzimos o VW Arteon 2.0 TDI Biturbo

O Arteon é uma proposta bastante interessante que tenta “competir” num campeonato dominado pelo BMW Série (...)

Quanto a vale a Mercedes Classe X num segmento dominado pelas japonesas? Esqueçam as Pick-ups, agora chamam-se SUTs

Já não se vendem pick-up como vendiam. No início, eram apenas carros de trabalho, brutas e duras. Depois vieram cada (...)

Salão Automóvel 2017. A opinião de quem esteve lá.

Decorreu de 21/11 a 26/11 a edição de 2017 Quem é apaixonado por automóveis, como eu, gosta sempre de aproveitar os (...)

E o novo Tesla Roadster é melhor do que um Bugatti?

Eu tenho que admitir que sou fã da Tesla. Aliás, acho que sou mais fã do Musk do que da Tesla. Já o disse várias ve(...)